Estilo Luís XVI

Luís XVI nasceu em Versalhes e após a morte repentina de seu pai, Luís Fernando, tornou-se o novo herdeiro da França em 1765 e coroado rei aos 19 anos até ser deposto durante a Revolução Francesa em 1972, sendo executado no ano seguinte.

Luis XVI, o ultimo rei da França antes da revolução francesa.

Dentre os diversos legados de Luís XVI o estilo de mobiliário que se desenvolveu a partir da França durante seu reinado e que se mantém até os dias atuais. Este estilo segue as linhas do anterior, o estilo Luís XV, sendo que entre o final deste até 1774, existe um período de transição que se traduz em alterações superficiais, sobretudo de foro decorativo e não tanto estruturais. A transição culmina na afirmação total do novo estilo com a inauguração do Castelo de Louveciennes, decorado por Ledoux para Madame Du Barry.

O estilo assimila simultaneamente duas características distintas, a do estilo anterior, dentro do espírito do rococó, e a do momento que dá agora os primeiros passos, o neoclassicismo, que só assumirá toda a sua força após a Revolução Francesa. O estilo Luís XVI é um estilo híbrido, que conjuga nas suas peças vários elementos opostos, criando assim uma estética muito própria.

Petit appartement de la reine, de Maria Antonieta. Juntamente com a decoração do petit appartement du roi, estão entre os melhores exemplos do estilo Luís XVI.

A corte vai ser mais uma vez o modelo da nova estética, onde a própria rainha Maria Antonieta, com as suas múltiplas encomendas para o Petit Trianon, torna-se uma das peças chaves no desenvolvimento do estilo. Também a Madame de Pompadour, que se tinha rendido ao gosto do estilo Luís XV, se começa a interessar pelas novas formas revolucionárias.

Como resultado da crescente austeridade, aumenta a reação contra os excessos do rococó e o seu turbilhão de curvas assimétricas, preferindo-se a linha Rita e a sobriedade na decoração. No entanto permanecem ainda algumas linhas curvas que suavizam a rigidez das novas estruturas, e as dotam de alguma leveza.

 

Este estilo caracteriza-se por maior simplicidade, sobriedade e rigidez. Dominam as linhas perpendiculares, ângulos retos e superfícies planas. No final do período surge o mogno, introduzido por Georges Jacob, aproveitando elementos do estilo Chippendale da Inglaterra. Utilizam-se como os principais elementos decorativos medalhões e elementos ovalados. De inspiração na Antiguidade Clássica encontramos frisos, colunas e folhas de laurácea, dos períodos barroco e rococó incorporam-se grinaldas, drapeados e entrelaçados, além de elementos da natureza como rosas e pérolas.

No mobiliário o que chama a atenção é o fato das pernas das cadeiras perderem suas curvas e passarem a se assemelhar mais com peças para sentar e descansar e não tanto como objetos de decoração. Os pés podem ser de seção quadrangular ou circular, estreitando em direção ao chão e apresentando caneluras verticais ou em espiral. As pernas são ligadas à cintura (parte inferior do assento) através de um cubo decorado. O espaldar (apoio para as costas) apresenta molduras que podem ser retangulares (carré à La Reine), ovais (na vertical, dossier à medaillon) ou ainda vazadas (com aberturas). Na parte aparente de madeira entalhada, não raro, mantém a cor natural da madeira e continua-se a aplicar ao móvel os bronzes e dourados finamente cinzelados.

Poltronas estilo Luís XVI utilizadas pela arquiteta Sumara Bottazzari na Casa Cor PR 2016

Clique aqui e confira mais fotos do ambiente de Sumara Bottazzari

Compartilhar



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Código de segurança *